Search
sábado 18 novembro 2017
  • :
  • :

Consciência Negra: Grandes Damas do Jazz.

Na semana da consciência negra, muito importante para o combate ao racismo, bem como combate a todos os preconceitos, trazemos a contribuição das Grandes Divas do Jazz.

1

Ella Fitzgerald

Minha cantora preferida (divide com Billie o título) para o estilo é apontada pelos críticos como a maior cantora do século XX, concordo!

A cantora nascer em Newport News em 1917 e faleceu em Beverly Hills, em 1996) Duas cantoras brilhantes em uma: Ella Fitzgerald era a mestra absoluta do ‘scat singin´’ (a técnica de improvisar sem palavras, imitando o solo de um instrumento) e também tinha o domínio completo da interpretação de uma canção (dom que o produtor Norman Granz soube preservar em uma série de songbooks antológicos com o repertório dos maiores compositores da música popular americana). Ella era a perfeita definição de “gênio”, e tornava essa palavra algo doce como um sorriso.  Ella Possuía uma extensão vocal que abrangia três oitavas, era notória pela pureza de sua tonalidade, sua dicção, fraseado e entonação impecáveis, bem como uma habilidade de improviso “semelhante a um instrumento de sopro”, particularmente no scat.

Ella teve uma carreira que durou 59 anos, venceu 14 prêmios Grammy e recebeu a Medalha Nacional das Artes do presidente americano Ronald Reagan, bem como a Medalha Presidencial da Liberdade, do sucessor de Reagan, George H. W. Bush.

 

2Sarah Vaughan

Sarah nasceu em Newark em 1924 e faleceu em Los Angeles em 1990. A cantora foi Apelidada “Sailor” (por seu discurso salgado), “Sassy” e “A Divina”. Foi ganhadora do Grammy e do NEA Jazz Masters (mais alta honra no jazz), atribuído pela National Endowment for the Arts em 1989. A voz de Vaughan caracterizava-se por sua tonalidade grave, por sua enorme versatilidade e por seu controle do vibrato. Sarah foi uma das primeiras vocalistas a incorporar o fraseio do “Be-bop” e desenvolveu uma arte de voos por oitavas extensas e improvisos desconcertantes pela audácia e por gracejos.

Billie Holiday

A maravilhosa cantora nasceu em Filadélfia, no ano de 1915 e faleceu em New York em 1959, sendo também conhecida como Lady Day, é por muitos considerada a maior de todas as cantoras do jazz (na minha opinião divide o título com Ella – porém esta última foi mais longeva).

A característica mais marcante de Billie era sua autenticidade. Transcendendo o próprio gênero, Billie foi além do jazz para atingir o justo título de uma das maiores cantoras do século XX. Podendo ser apreciada em fases claras, como safras de vinho, sua intensidade emocional misturava sensualidade, dor, ironia, doçura e muitos outros 3sentimentos que afirmavam a beleza da voz humana.

Billie sofreu muito ao longo da vida. A Menina americana negra e pobre, passou por todas as agruras possíveis. Aos dez anos foi violentada sexualmente por um vizinho, e internada numa casa de correção para meninas vítimas de abuso. Aos doze, trabalhava lavando o chão de prostíbulos. Aos quatorze anos, morando com sua mãe em Nova York, caiu na prostituição.

Sua vida como cantora começou em 1930, a artista precisava de dinheiro, tentou a vida com dançarina, porém era muito desengonçada, por dó de um musico, cantou pela primeira vez e não mais parou.

A partir de 1940, apenas 10 anos após o início e apesar do sucesso, Billie Holiday, sucumbiu ao álcool e às drogas, passando por momentos de depressão, o que se refletia em sua voz.

Pouco antes de sua morte por overdose de drogas (apesar de dizerem que por ser diagnosticada com cirrose hepática a causa de sua morte seria um edema pulmonar que causara insuficiência cardíaca), Billie Holiday publicou sua autobiografia em 1956, Lady Sings the Blues, a partir da qual foi feito um filme, em 1972, tendo Diana Ross no papel principal

Louca e maravilhosa, define Billie Holiday.

4

Etta Jones

A cantora nasceu na Carolina do Sul em 1928 e faleceu em Mount Vernon, New York em 2001.

Foi uma cantora de jazz Americana de pouco sucesso e relativa obscuridade comercial que ganhou a reputação “cantora de jazz dos músicos de jazz” enquanto viveu e nunca recebeu o merecido destaque e reconhecimento.

Era frequentemente confundida com a mais popular Etta James, o que contribuiu com seu pouco sucesso. Era uma interprete elegante de standards, baladas e blues.

Suas inflexões musicais são hoje comparadas com as de Billie Holliday e Dinah Washington.

Apesar de toda a falta de reconhecimento recebeu o prêmio Grammy Hall of Fame Award.

5

Dinah Washington

A cantora cujo nome verdadeiro era Ruth Lee Jones, nasceu em Tuscaloosa, em 1924 e faleceu em Detroit em1963).

Além de cantora foi pianista e é considerada “a mais popular artista feminina negra dos anos 50”.

Dinah era essencialmente uma vocalista de jazz, no entanto gravou vários outros ritmos entre eles o Blues que lhe rendeu o título de “Rainha do Blues”.

A cantora foi uma das homenageadas do Alabama Jazz Hall of Fame de 1986, e foi introduzida ao Rock and Roll Hall of Fame em 1993.

A artista teve ao menos oito maridos e dois filhos. No final de sua carreira, tornou-se preocupada com seu peso. Em dezembro de 1963, com então 39 anos, seu corpo foi encontrado em sua casa em Detroit, ela havia morrido de uma overdose de álcool, sedativos e pílulas para emagrecimento.