Search
quarta-feira 22 novembro 2017
  • :
  • :

Espetáculo “Zé” acontece hoje no Memorial Coluna Prestes

 
Como parte da “I Temporada Popular de Teatro”, acontece hoje em Palmas a apresentação do espetáculo “Zé”, da A Barraca Cia de Arte. A peça revisita o universo literário do escritor tocantinense José Gomes Sobrinho, falecido em 2004,como explica o diretor do espetáculo, o ator Nival Correia:  “Não se trata de uma referência biográfica ao José Gomes Sobrinho, mas pretendemos sim dar movimentos, expressões, cores e sentimentos à obra poética dele, tornando-a visual”. O grupo escolheu o teatro de rua e o estilo mambembe como linguagem de apresentação cênica, trazendo o público mais próximo não somente do texto mais da própria aura presente nas palavras de Zé Gomes.
O TOCult conversou a presidente da “A Barraca Cia de Arte”, e também atriz do grupo, Magna Carneiro sobre o espetáculo e a cena teatral no Tocantins.
 
TOCult  – Quanto tempo de estrada tem a A Barraca Cia de Artes? 
Magna –  A Barraca Cia de Artes está na ativa desde 2002. São 13 anos de produções  teatrais, projetos artísticos  de cunho social e também educativo, sempre com a  intenção de contribuir para a cultura do nosso estado e por sua vez promover o acesso de produtos culturais às camadas menos sucedida de nossa sociedade. Nós também somos uma ONG  voltada para a produção  e experimentação sem fins lucrativos que tem desde a  sua formação inicial até a atual somente mulheres.
TOCult – Quais os espetáculos fazem parte da trajetória?
Magna – Muitos  espetáculos foram montados nesses 13 anos e campanhas educativas também, dentre os espetáculos podemos elencar aqui: “O auto da vida no trânsito”, “Soul 4” , “Atropelando os Brasis”, “A canção dos direitos da criança”.
TOCult – Qual é o espetáculo mais importante da carreira da Cia.?
Magna – Não temos nenhum mais ou menos importante. Cada montagem tem um propósito, pesquisa e o empenho de cada integrante envolvido. Assim, não dá pra mensurar a importância individual de uma produção. Cada uma dentro de seu contexto teve sua relevância.
TOCult – Como foi o processo de construção de Zé?
Magna – O “Zé” nasce de uma preocupação em retratar a obra do artista José Gomes Sobrinho. Essa vontade surgiu em 2014 quando em uma conversa com dona Gilda Gomes (viúva de José Gomes) ela relatou que naquele ano completaria 10 anos de seu falecimento. Conversamos, e após o consentimento dela, iniciamos a pesquisa pelas obras publicadas e as histórias contadas por cada um que teve o privilégio de conhecer o Zé. Daí nasceu o espetáculo “Zé”, que foi tomando o formato desejado tendo uma concepção coletiva, em todas as etapas de montagem.
TOCult – Como funcionam as escolhas de cada próximo trabalho da Cia.?
Magna – As escolhas são democráticas. Nos reunimos estudamos as possibilidades, analisamos a importância de cada projeto proposto sempre respeitando as opiniões de cada integrante.
TOCult – Como você analisa a cena cultural tocantinense, mais precisamente do teatro?
Magna – Precisamos de espaços para promoção de nosso produtos. Além disso, necessitamos de mais incentivos culturais por parte dos entes públicos, mais apoio da iniciativa privada, que ainda é muito tímido. Porém e, apesar de tudo isso, temos muitos grupos bons desenvolvendo bons trabalhos, e isso é louvável! Não podemos cruzar os braços. O momento é de arregaçar as mangas e lutar com ou sem incentivo.
TOCult – Como você avalia a participação do público nas apresentações artísticas? As pessoas tem perdido o interesse por peças de teatro?
Magna – Não, o teatro não vai perder seu espaço, essa linguagem é completa e retrata o ser humano em toda a sua essência. Penso que não perderemos público tão cedo. Porém a luta por formação de plateia deve ser constante. Mas seja qual o for o gênero, o teatro sempre terá um lugarzinho reservado para os amantes da arte como um todo.
Então anota aí:
Dia: 02/10 (Sexta)
Espetáculo:
Hora: 19h30
Local: Memorial Coluna Prestes (Espetáculo de rua – Apresentação em frente ao Memorial)
Ficha técnica:
Direção Geral: Nival Correia
Assistência de direção: Magna Silvia
Elenco: Magna Carneiro, Poliana Alves, Leidiane Martins, Cinthia Abreu e Iva de Oliveira
Direção musical : Márcio Bello
Produção Executiva: Magna Silvia
Assistente de Produção: Poliana Alves
Assessoria de Comunicação: Cinthia Abreu
Coreografias: Valéria Elias
Preparação Corporal: Adriano Augusto
Figurinos: Yrlandes Yago
Cenário: Criação coletiva
Sonoplasta: Airton Lélis
Patrocínio: Promic – Programa Municipal de Incentivo à Cultura

Apoio: Cleuda Milhomem