Search
quarta-feira 12 dezembro 2018
  • :
  • :

Augusto Cury e seus ensinamentos



Augusto Cury entrou na minha vida através de seu romance “O vendedor de sonhos”, e a partir daí li outros livros dele, pois amei o romance e me interesso pelos assuntos da psique humana que estão presentes em seus livros, inclusive os romances. 
Como sou uma pessoa muito ansiosa, li também “Ansiedade: como enfrentar o mal do século”, e confesso que tive um pouco de dificuldade na leitura pois o livro apresenta sua teoria da inteligência multifocal e como sou ansiosa, não li o livro com a calma devida a fim de absorver por inteiro seus ensinamentos. Mas consegui ao menos captar a essência e os gatilhos emocionais que disparam em nossa mente e se transformam em ansiedade e até mesmo a tão falada síndrome do pânico.
Basicamente, é preciso, segundo Cury, tentar rever nossos pensamentos para achar qual deles ou qual situação é o gatilho para que a ansiedade ou o pânico se instalem em nossas mentes. Quando você perceber qual é esse gatilho emocional, é possível trabalhar sobre ele a fim de “resolvê-lo” dando fim aos ataques de pânico.
Parece simples, mas achar o tal gatilho exige muito auto-observação e humildade. Ser franco a respeito de si mesmo é o princípio para desmascarar tais emoções, por exemplo, o perfeccionismo, algo tão almejado na nossa sociedade e que nos sobrecarrega muito mais do que imaginamos. Ele esta em tudo, desde o trabalho, a forma física, a rotina doméstica e na minha opinião, pesa ainda mais nas mulheres, pois somos mais cobradas e nos cobramos mais também.
Se você sabe qual a situação que lhe trás ansiedade, pense nas hipóteses das consequências em que, caso essa situação ou fato não saiam exatamente como previsto em sua mente, quais os danos REAIS que isso causaria.
Na maioria dos casos tudo é um grande exagero de nossas mentes, e quando conseguimos identificar que caso aconteça algo, isso não necessariamente será o fim do mundo, então conseguimos encarar a tal situação com menos estresse e ansiedade.
Dá trabalho, mas é melhor do que viver ansioso e com medo. Sim, o medo também é uma das grandes causas que desencadeiam ansiedade e pânico.
Mas medo do que? Quais medos são reais? 
Essa são perguntas que devemos nos fazer porque veremos que temos muito medo de situações que podem nunca ocorrer, mas que minam nossas mentes diariamente com os noticiários sobre violência, crise econômica, enfim, coisas que passam despercebidas mas que nosso subconsciente absorve sem pedir licença e ficam lá, a nos causar tantos danos à saúde mental, pois se não trabalhados, esses medos tendem a crescer e de um leve estresse levam à síndrome do pânico, que paralisa a vida e então o trabalho se torna bem mais difícil.

Portanto, é melhor trabalharmos nossas barreiras imaginárias agora, pois mais tarde pode ser pior.