Search
terça-feira 16 outubro 2018
  • :
  • :

Amores inabaláveis, dependendo do ponto de vista…

Dizem que tem de tudo na internet. Eu discordo! Hoje mesmo precisei de uma resposta que não encontrei, nem em mim e nem nos “outros” virtuais. Eu queria muito saber se é correto jurar eterno amor! Na religião, é certo que os casamentos são jurados para a eternidade. Porem, não falo de casamento, falo de amor e vontade de amar. Falo de juras de amor que são gostosas e necessárias pra felicidade e segurança de um relacionamento mas que, se não cumpridas, inevitavelmente vão virar cobrança e as vezes até execução. Creio que esteja sendo vaga demais.
Vou explicar melhor:
No início de um relacionamento, somos tomados pelos sintomas de um vírus chamado paixão. Nesse primeiro momento, temos quase certeza de que encontramos o amor da nossa vida. Então começam as dúvidas que mais incomodam: – Devo fazer planos? – Devo declarar que amo? – Devo dizer que é o homem ou a mulher da minha vida? – E se não for?????? Pior ! E se ele for o meu mas eu não for a dele, ou eu for a dele e ele não for o meu? Como fica aquela historia do te amo para sempre? Como fica aquela historia de alma gêmea, do ser predestinado?
Ficamos com tanto medo de nos comprometermos com algo que depois nos será cobrado, que acabamos por viver uma relação xôxa, incolor e insípida por medo de ter de responder pelo pecado de um dia ter dito : Eu te amo e quero ficar com você pra sempre.
Meu ponto de vista sobre isso é o seguinte: sou uma inconsertável otimista e quando me envolvo quero, do fundo do meu coração ter encontrado o grande amor da minha vida. Com essa postura, o que ganhei foram realmente grandes amores na vida. É justamente isso. Todos os meus amores foram amores de cinema. Todos em grande intensidade. Todos eternos. E digo com grande coragem que nenhum deles acabou até hoje. Quando prometi, a todos eles, amor eterno, posso dizer que cumpri. Antes de permitir que o amor fosse abalado, antes das decepções que viram magoas, antes da desilusão, eu me afastei. Deixei de ser namorada, mas jamais deixei de amar. Apenas descobri que se continuasse junto eu jamais poderia manter minha palavra e certamente o amor seria tomado de uma certa birra, de um certo fim……
Imagine uma peça de exposição em um museu. Ela teve uma serventia, funcionou por muitos anos, porem, um dia, antes que se tornasse inútil e fosse ao lixo, velha demais, alguém teve o cuidado e o carinho de desligá-la e guardá-la e protegê-la em local seguro pra ser cuidada, pra ser lembrada, pra ser eterna. Assim é o amor. Convém pará-lo para conservar, para não estragar, para impedir que deteriore.
Porém, para as pessoas que pensam como eu, é certo que saibam que estamos sujeitos as penas do Código de Defesa do Consumidor do Amor. Ele é parecido com o Código de Defesa do Consumidor convencional, porem, muito injusto para uma das partes, sempre. Ou seja, quando você compra um produto com garantia de 3 anos e, antes disso, ele para de funcionar, a empresa deve lhe garantir que você usufrua dele PELO TEMPO QUE FOI PROMETIDO. Nesse caso, a empresa conserta o seu produto, ou substitui, ou indeniza.

No amor é mais ou menos parecido, porem, com algumas injustiças, vejamos: 1- Se o amor quebra, você tenta consertar, porem, não existe um prazo de garantia que irá desobrigá-lo da indenização. Ou seja, não adianta dizer – vou aguentar mais dois meses que vence a garantia! Você vai se ferrar de qualquer jeito……….. 2. Você tenta convencer que o produto deve ser trocado, mas o consumidor não aceita, e pelo CDC do Amor ele não é obrigado a aceitar a troca. Então, na grande maioria das vezes a gente acaba indenizando. 3- Pois é, você acaba pagando por ter amado e, aquele que não abre mão de possuir sua alma, lhe tira tanto de energia e as vezes de dinheiro que o amor passa a ser realmente um produto que o leva a falência. Agora pergunto: – Quem não se empolga ouvindo EXAGERADO de Cazuza? Quem não sonha em viver um amor de filme? Quem não quer dizer e escutar as juras mais intensas e secretas de um amor , quiça eterno? Porém, quero saber é quem não teme as conseqüências de dize-las………………… Bem, nesse caso, podemos escolher entre o risco de sermos infratores do CDC do Amor e vivermos intensamente historias lindas, porem, sabendo que iremos pagar por elas, ou ainda, sermos fechados pro amor e fadados a passar uma vida sem sal e sem doce, sem nunca ter sentido um arrepio na espinha e uma vontade intensa de viver PRA SEMPRE e de gritar: EXAGERADO, JOGADO AOS SEUS PÉS, EU SOU MESMO EXAGERADO!